LIÇÕES AOS ADULTOS

LIÇÕES AOS ADULTOS

 Por: Sofia Pereira

Inicialmente, eu pensei em falar algo para as crianças, uma lição de vida do mundo dos adultos para elas. Pensei em dizer porque foi instituido o dia 1 de Junho, o dia da criança ou até em contar uma história.

Lembrei-me que o mundo é delas e resolvi passar para os adultos, as lições que elas trazem antes de se tornarem “escravas” da sociedade e de uma mente fechada. Lições essas que devemos analisar e nos perguntarmos se ainda temos a “criança” dentro de nós.

1ª Lição – a verdade

Quando uma criança nasce é sempre um motivo de comemoração. Recebem visitas desde a maternidade até em suas casas. Trago dois momentos onde a criança é extremamente verdadeira. O primeiro, é quando alguém quer segurar no bebé e ele(a) mesmo sem ainda reconhecer, só pelo cheiro, quer ficar no colo da mãe. É nesse momento que penso que a criança faz um raio-X a aura do adulto e vê que a energia que o mesmo lhe transmite não é a melhor.

O segundo momento, é quando dois adultos estão a conversar e um deles diz algo e de repente, a criança grita “é mentira”. Há um momento constrangedor que paira no ar. É nessa altura que a criança se torna um verdadeiro detector de mentira.

Gosto de pensar que não é à toa que Jesus disse: “deixai vir a mim as criancinhas”.

2ª Lição –  uma linguagem universal.

Se repararmos bem, e as creches são um bom lugar para nos darmos conta disso, ou até mesmo em viagens de férias; se duas ou mais crianças se encontrarem, independentemente de serem de países diferentes, elas comunicam-se de forma bastante clara, maneira simples e muitas vezes usando a linguagem corporal. Elas constroem uma amizade e transmitem umas para as outras essa sinergia, companheirismo e união espiritual. Elas são puras, são verdadeiras.

3ª Lição – coragem e curiosidade

Todas as crianças vivem sem medo, arriscam sem pensar duas vezes, quer seja nas amizades e nas brincadeiras. Nós adultos estamos mais na vibração do medo, de falhar connosco, com os outros e até de sermos julgados. As crianças acabam por ver erros como aprendizados.

4ª Lição – perdoar, esquecer e “brincar”

É incrível ver como duas crianças depois de lutarem, fazem as pazes! Demonstram que têm a capacidade de serem humildes o suficiente e de pedirem perdão por terem magoado o seu amigo. E com a mesma capacidade, perdoam e continuam com a brincadeira. Isso demonstra que “a brincadeira” é algo maior que elas, é um elo que as une e lhes faz querer o bem geral, o companheirismo, estarem ligadas.

Segundo a Psicologia infantil, desde o momento que a criança nasce até fazer 7 anos, é o período de formação de carácter, está sob influência dos factores externos e principalmente das pessoas. Descobre o mundo e começa-se a questionar. Não é à toa que a criança entra na fase do “porquê?”, a curiosidade está no auge e ela quer entender o mundo sem ser o “faz de conta”.

Portanto adultos, tomem atenção como falam com uma criança, o que falam, o exemplo que dão e principalmente, como ensinam a criança a reagir. As crianças são esponjas que enquanto houver espaço, elas absorvem todas as informações positivas e negativas. Esta esponja é o nosso subconsciente, é a nossa memória RAM que molda a nossa personalidade.

Gostaria de acabar com uma história; uma mãe que discute com a vizinha e as suas crianças a presenciarem.

Vamos parar por aqui. Com este gesto…

Qual será a lição que estas mães deram aos seus filhos? Que legado os adultos querem deixar às crianças?

Mas ainda tenho tempo para partilhar convosco esta pequena história:

Dois irmãos, um era alcoólatra e o outro não. Foram submetidos a uma entrevista onde tiveram que responder a seguinte pergunta:

“- Por que é que escolheste não beber?” ou “- Por que é que escolheste beber?”.

Surpreendentemente a resposta dos irmãos foi a mesma: “simples, porque o meu pai era alcoólatra ”.

 

 

Deixar Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Eu aceito a Política de Privacidade * for Click to select the duration you give consent until.

Abrir o chat
Olá,
Como Podemos Ajuda-lo!